segunda-feira, 24 de outubro de 2016

Porto Alegre - Rio Grande do Sul

Estamos por fora do mundo de viagens, pois, decidimos casar, rs!
E pra eu não ter uns surtos de vez em quando o Nelson, faz a gentileza de palestrar em algumas cidades mundo afora, para que eu tenha a singela desculpa de ter que ir conhecer lugares novos!
E foi exatamente assim, que fui passar quatro dias em Porto Alegre.
Ficamos, hospedados no centro da cidade em um hotel chamado Minuano, é um hotel Ok! Lembra inclusive, um hostel! O valor é super em conta e está ótimo para dormir, os quartos são bem apertados, mas eram poucos dias e não estávamos afim de ficar presos no quarto.
A única questão do quarto e na verdade, no momento de toda Porto Alegre é a questão de segurança e a quantidade de mendigos por metro é gigantesca, não que não exista também no centro de São Paulo, mas me surpreendeu negativamente esse aspecto.
Conversamos com um pessoal que acabou nos contando que a violência está bem acentuada na cidade devido a falta de pagamento do salário de policiais. Bem triste...
Mas, voltando a parte de conhecer Porto Alegre, rs!
Nos falaram bastante para fazermos um bate e volta na Serra Gaúcha, mas como é um lugar que tenho interesse em conhecer ainda, preferi conhecer a cidade e se possível, marcar uma próxima viagem para lá!
Na quinta feira pegamos um voo com a Gol, chegamos em Porto Alegre e já pegamos um táxi do próprio aeroporto, o preço é meio salgadinho, mas quando chegamos na cidade, normalmente é o que fazemos. O Aeroporto é pequeno, porém, tem bastante informação turística inclusive, lojinhas e restaurantes!
No primeiro dia acabamos descansando, pois, pegamos um voo muito cedo e também estava chovendo! Conseguimos dar uma passada no mercado da cidade e tomar um café da manhã na Banca 40! Aí começamos a nos deparar com os valores em POA, tudo bem salgadinho! Acredito que gastamos uns 35,00 reais no café da manhã!
Café da manhã na Banca 40

Entrada do Mercado!
Descansamos um pouco e fomos almoçar a indicação de uma colega de faculdade que é gaúcha, em um restaurante de massas. Chamado Usina das massas! O restaurante foi bem gostoso, e fica localizado no bairro do Moinhos, um dos bairros mais nobres da capital Gaúcha e que tem os melhores restaurantes.

Voltamos para o hotel, até por que o Nelson tinha que trabalhar um pouco, a folga seria somente na sexta feira! Retornamos ao hotel e novamente à noite saímos para jantar, fomos a uma hamburgueria, que deixou bastante a desejar, mas já começamos a experimentar um pouco das carnes gaúchas, que não tem o que falar, são realmente de babar!

Na sexta feira, acordamos um pouco tarde e obviamente já fomos, fazer o que? Comeeeeer, fomos a uma churrascaria bem típica e tradicional de Poa, chamada: Galpão Crioulo. Lá, comemos, muuuuuuuuito bem ! Também, foi indicação da amiga Rafaela e indico a todoooos!
Uma delícia, o churrasco gaúcho é realmente tudo o que dizem e mesmo sendo mais salgado do que o que estamos acostumados a comer, derrete na boca e me surpreendeu com a super qualidade, atendimento ótimo! Gostamos bastante!
Galpão Criolo


Saindo de lá pegamos um uber, aliás, esse que foi nosso meio de transporte a todo o tempo na capital! Rápido, prático e barato!
Fomos um dos famosos parques da cidade, o Parque dos moinhos! Lá tem um moinho, onde funcionava uma biblioteca infantil! O parque é gostoso, bem no meio da cidade. Caminhamos pelo bairro de Moinhos e também fomos ao shopping Moinhos com suas muitas lojas de grife!

Nelson e mô
Retornamos ao hotel, por que o churrasco, ainda não nos deixava respirar muito bem rs!
Moinhos

Ao anoitecer decidimos conhecer os bares, na cidade baixa! Seria como nossa Vila Madalena, ou Augusta, muitos bares, gente caminhando, trânsito, nesse bairro é onde fica o bar Opinião, famoso por receber diversas bandas de rock brasileiro.
Sentamos em um bar, chamado Yellow Submarine, fomos bem atendidos e comemos um camarão à milanesa, junto com alguns choppes na promoção! O valor foi ok e o prato bem gostoso!

No sábado o Nelson foi palestrar e foi quando eu decidi conhecer a cidade sozinha! Fui primeiro a fundação Mario Quintana, a fundação é o antigo hotel Majestic, aonde o Mario Quintana vivia! É realmente, MUITO bonito!Vale a visita! De lá caminhei pelo centro, vendo a catedral da cidade e também o palácio farroupilha!
Depois de muito andar, passar pela feira de antiguidades, peguei um uber novamente para o moinhos, caminhei na principal rua de lá, que é a Rua Padre Chagas, lá há restaurantes e bares para todos os gostos.


Catedral
Palácio Farroupilha

Fundação Mario Quintana
Optei por almoçar no Japesca, rede de restaurantes japonês existente em quase toda esquina da cidade. Tudo bem gostoso e fresquinho! O valor só para mim foi de 65,00 reais! Ao final do dia, retornei ao hotel para esperar o Nelson.
À noite voltamos para o moinhos, fomos tomar uma cerveja em um pub!
Domingo nosso último dia na cidade, o Nelson quis conhecer o parque da Farroupilha, estava tendo uns shows, e também todo domingo há uma feirinha GIGANTESCA por lá! Passeamos e andamos MUITO. Almoçamos também em um japonês por lá, tudo fica extremamente cheio aos domingos por lá!
E partimos para a Usina do gasômetro, fiquei um pouco decepcionada com a Usina em si, pois, não há muito o que ver! O local é bonito, e temos a vista para o lago Guaíba, onde muita gente passa a tarde, porém, está em reforma, o que dificulta um pouco o passeio.

Parque Farroupilha
Pedalando no Guaíba, o Nelson feliz!
Alugamos um triciclo de 2 lugares por 30 minutos e pedalamos bem pela margem do Lago! Acredito que quando estiver pronto ficará bem gostoso e bonito!
E foi nosso último passeio na cidade, na volta ficamos um pouco no aeroporto e comemos no Mc, por que já não tinha dinheiro que desse, e já havíamos comido de mais! rs
Adoramos os dias para descansar e se prepare, se for pra Porto Alegre, você vai comer, MUITO rs!

domingo, 19 de junho de 2016

Los Roques - Venezuela

Acho que já deu pra perceber que eu e Nelson somos ratos de praia né?
 
Falar sobre viagens feitas há um tempo e sobre ESSA viagem em específico é um tanto quanto complicado pra mim, acho que gostei tanto dos dias que passamos por lá que fiquei enrolando pra falar sobre esses como foram incríveis nessa ilha venezuelana.

Enfim, vamos lá, a ideia de ir pra Los Roques, surgiu de pesquisas e de um amigo do Nelson que já havia visitado a ilha diversas vezes. Demos início então a nossas pesquisas. E uma ideia inicial para uma viagem para Los Roques é: Pesquisem! Sem pesquisa e muita informação a viagem cai por terra, cair em armadilhas venezuelanas é muito fácil e algo que seria "dias no paraíso" torna-se : " dias convivendo com Lucífer" em questão de um pequeno escorregão!

Não, não quero desmotivar ninguém a conhecer o país e a ilha, mas é bom estar atento a tudo e a todos e é uma viagem pra quem realmente está disposto, não é tão fácil quanto imaginam, rs!
Uma das belas praias de Los Roques
Bom, pra começar, compramos o voo com a Gol com destino a Caracas, fiquei sabendo esses dias que esse voo não existe mais, pelo menos não sem escalas, o que já dá uma dificultada no percurso!
Chegando em Caracas, começam os trâmites da viagem. A Venezuela é um país com diversas questões políticas e econômicas, então não existe esse negócio de trocar dinheiro em casa de câmbio, existe um bem bolado ilegal, que todo mundo sabe que acontece, mas mesmo assim você tem que fingir que não está fazendo!
Os caras veem que você tem cara de turista perdidão e chegam te oferecendo dinheiro para trocar, não adianta, troque quantidades não tão grandes e vá na fé mesmo, o Nelson foi ao banheiro masculino resolver a questão.
Dinheiro trocado! O dinheiro da Venezuela já não valia muito há uns anos atrás, acredito que infelizmente a situação deve estar pior  agora no país, pelo pouco que vejo em noticiários.
*_*
Dinheiro trocado, partimos então para o hotel em que ficaríamos por uma noite, na cidade de Maiquetia, o hotel se chamava Catimar e tinham uma van que te buscava no aeroporto. Preferimos não nos aventurar por Caracas, ficar no hotel descansando e no dia seguinte já irmos pegar o voo para Los Roques.

Na manhã seguinte, pegamos o voo para Los Roques, um MINI avião que cabiam no máximo dez pessoas nos levou em um voo de no máximo uma hora para a maravilhosa ilha de Los Roques.
Ao chegarmos na ilha, já do avião é possível ver toda a beleza do arquipélago! O avião pousa em uma pequena pista, pois, Los Roques, não tem aeroporto!
Descemos do voo e passamos por uma pequena casinha, onde nos cobram o valor para a entrada na ilha, pela minha pesquisa, em 2015 estava em 600 bolívares.
Teco teco
Mini avião, super vista!
Saindo, nos deparamos com uma pequena placa escrita: Bem vindo a Los Roques, e aí já encontramos um dos funcionários da pousada que ficaríamos a Acquamarina. Fechamos tudo com a pousada alguns meses antes, por emails trocados simples e rápidos. Tudo bem tranquilo.
Ao chegar somos recepcionados pelo gerente Juan Pablo que nos explicou como tudo funcionaria por lá.
Nosso companheiro nos dias de praia.
Temos direito dentro do pacote da pousada a irmos para as ilhas mais próximas Madrisqui e Francisqui, que são lindas(mas as mais cheias também).
Vamos para a praia de barco, lá montam para nós um enorme guarda sol e duas cadeiras, juntamente com o nosso insepararável cooler, que tem bebidas, lanchinhos e nosso almoço.Tudo bem organizado e limpo.
Voltando da praia, sempre por volta do horário das 16 horas, não a muito o que fazer na ilha a noite, então, é basicamente comer um lanchinho, tomar um banho e esperar o horário do jantar.
Terminado o jantar normalmente ou íamos a um dos dois pequenos barzinhos da ilha para tomar alguma coisa, ou capotávamos mesmo, pois acreditem, ficar na praia sem fazer nada, CANSA.
Fim do dia, pôr do sol no farol.
A pousada é bem simples, ar condicionado funciona bem, a pressão da água não é das melhores nem no chuveiro e nem na descarga, água é algo escasso na ilha, portanto, tomem banhos rápidos e com sabedoria.
Outra coisa que incomoda MUITO lá são os bichinhos (como se fossem borrachudos, mas não são), que realmente nos picam inteiros e nos tiram do sério. Tirando isso os dias na ilha são muito especiais, é uma viagem que indico e temos vontade de retornar.
A cidade de Los Roques
Cayo de àgua
Fundo do mar
Conhecemos Madrisquí, que é próxima e linda. Francisquí, sinceramente mesmo sendo cheia, achei uma das melhores da região. Krasquí que pra mim foi a melhor de todas as ilhas, pela beleza do mar e alguns bares e restaurantes pra conhecer. Cayo de agua, ilha longe e maravilhosa, as águas quentes do Caribe e aquele banco de areia enchem nossos olhos.
Curso de mergulho
Também fizemos um mergulho em uma pedra próximo a Madrisquí. Fazemos o curso e depois já vamos a 15 metros de profundidade e a experiência é simplesmente INDESCRÍTIVEL.
Cachorrinho na praiaa!
Vale muito a pena, não me lembro o nome do local, mas foi indicado pelo pessoal da pousada e todo serviço foi muito bem feito.
Praiaa!
Los Roques foi um dos lugares que viajamos que mais amamos, além de ser uma ilha caribenha com uma paz só, pelo menos quando fomos as coisas não estavam tão caras assim!
Espero que gostem!

domingo, 27 de março de 2016

Ubatuba - SP

Há quase cinco anos atrás, eu e o Nelson fomos ao casamento de uma grande amiga nossa em Ubatuba, eu já havia conhecido a cidade quando era mais adolescente, tinha boas memórias dos meus dias por lá. Mas foi em específico esse casamento, o início do nosso namoro, aquele final de semana e a pousada que ficamos, que fez com que transformássemos Ubatuba pelo menos pra nós em algo, bem mais que só uma cidade, mas se tornou o nosso canto, nosso refúgio pras horas difíceis.
E não foi diferente em nossa semana de Fevereiro que ficamos por lá, o Nelson acabou tendo uns problemas e resolvemos aproveitar a emenda do carnaval e nos refugiar por uma semana por lá. Com pouca grana, fizemos milagre em uma semana inteira de viagem.
Pra começar ficamos hospedados na praia de Itamambuca, em uma pousada que se chamava Canto do dado, a pousada é do Dado um cara super bacana que cuida de tudo com sua esposa. Bom, a pousada tem uma localização não muito privilegiada, fica depois de uma estrada de terra em que o acesso não é tão bom assim, portanto pra basicamente TUDO, você tem que pegar o carro e criar coragem pra comer, ir ao mercado e mesmo ir a praia, pois o acesso para Itamambuca é cruzando um pequeno rio, que em alguns momentos do dia está com a maré alta. Então, cadeiras, documentos e coisinhas que levamos a praia acabam sendo um problema para cruzar o rio. Ou pegue um carro mesmo e aceite que não conseguirá fazer muita coisa por lá sem ele.
Enfim, nosso primeiro dia por lá foi no domingo de carnaval, a cidade ainda estava bem cheia e os dois preguiçosos preferiram ir almoçar e descansar o restante da tarde.
Nosso primeiro almoço foi em um restaurante na Vila de Itamambuca, dentro do condomínio que dá acesso a praia. O restaurante foi o Padang, restaurante bacana pra quem gosta de frutos do mar, com atendimento ok, porém o preço é um pouco além do que podíamos e havíamos planejado pagar nessa viagem. Portanto, comemos lá somente essa vez! A comida não é tudo isso, mas mesmo assim o restaurante está entre os dez melhores da região de Itamambuca.
Itamambuca
Nesse dia de preguiça resolvemos pela noite ir para o centro turístico de Ubatuba, que fica na praia de Itaguá, lá fomos a um restaurante que amamos em São Paulo e que tem uma filial em Ubatuba, o Taco surf - bom, o restaurante de São Paulo é um dos melhores mexicanos que já comi, gosto bastante, agora o de lá...deixou um pouco a desejar!  Nachos queimados, atendimento não muito bom e o burrito que pedimos também não estava tão gostoso assim. Não indico a ida ao Taco de Ubatuba, acho uma pena ser da mesma filial do Taco de São Paulo que tem bastante qualidade na comida e atendimento.

Enfim, no dia seguinte, esse que seria nosso primeiro dia de praia, fomos para Itamambuca, a praia não estava tão cheia e deu pra passar o dia tostando no super sol que estava. A praia é de tombo, tem bastante onda (sendo conhecida como o paraíso dos turistas) e tem pouca infra estrutura de quiosques! Todos são bem simples. Pra estacionar o carro por lá é preciso comprar um zona azul, que custa 12,00 reais e serve para o dia todo, podendo ser usado em todas as praias do litoral da cidade.
Itamambuca é uma praia linda, mas não entra na lista das preferidas, o Nelson adorou!
Nesse dia nosso almoço foi uma porção de camarão à milanesa em um quiosque por lá, não me lembro o nome agora, mas não estava tão bom assim,rs.

Nesse dia à noite também, fomos jantar no restaurante nomeado de: "tudo de bom", achei estranho, mas esse é o nome dele mesmo! rs
Eles tem uma pseudo pegada outback, mas gostosos mesmo são os pratos lá, pedimos um frango à milanesa ao molho de queijos que foi bem servido, gostoso e não tão caro!
Praia do Félix
Dia seguinte, próxima praia, a praia do Félix! A praia do Félix, se tornou uma das minhas preferidas, também localizada dentro de um condomínio de casas, também necessário o uso do cartão da zona azul e também com pouca infra estrutura de quiosques e tudo mais, mas uma ótima praia, quase sem ondas, bom para crianças, ou pessoas cansada como eu, rs!
Passamos boa parte do dia por lá, petiscando e curtindo o calor!

Casquinha de siri do Tio Sam
Nesse dia nosso jantar foi mais uma vez em Itaguá, fomos ao centro e jantamos no restaurante que se tornou nosso queridinho na viagem o restaurante do Tio Sam , o restaurante tem um super atendimento, os valores não são tão baratos assim, mas como os pratos são muito bem feitos acabam compensando.

Dia seguinte, café da manhã básico da pousada do Dado e fomos para a praia de Prumirim, a praia é também com poucas ondas, faixa de areia curta e com bastante estrutura. Dentro de condomínio, como todas as outras, porém , não há necessidade de zona azul, fácil de estacionar e não muito cheia.
Ficamos em um quiosque, sentamos nas cadeiras cedidas pelo próprio quiosque e fomos muito bem atendidos. Nosso almoço acabou ficando por conta de um pastel. Lá também, assim como em Itamambuca e no Félix, é possível alugar uma prancha para fazer stand up paddle, custava em torno de uns trinta reais a hora completa com a prancha, com direito a uma aulinha básica antes, pra não ficar pagando mico haha.
Quiosques no Prumirim
Prumirim
Dia seguinte, decidimos ir a praia da Almada, também dentro de condomínio fechado,é necessário uma super caminhada para se conseguir chegar na praia, mas chegando lá, uns restaurantes acabam dominando as areais da praia, com bastante infra estrutura! É basicamente, aonde você estacionar, será onde irá comer! Pedimos porções, drinks e cerveja, aproveitamos bem o dia, por um preço um pouco salgado.
Praia Almada
Tivemos o azar, ou a alegria de pegar, somente um dia de chuva em Ubatuba, e o Nelson resolveu surfar em Itamambuca! A praia estava bem vazia, pelo feriado já ter acabado e pelo tempo que não estava colaborando, fez aula de surf na escola do Zeca, em Itamambuca por 150,00 reais a aula. São duas horas de aula com professor particular e depois você pode ficar com a prancha pelo restante do dia. Achamos um preço justo e a escola realmente oferece tudo o que se propõe.
Nelson começou no lago!
Nosso último dia de praia, resolvemos ir para o lado oposto que estávamos conhecendo, conhecemos as praias do Norte e nesse dia, fomos direto para uma praia do Sul, a praia do Lázaro. A praia está dentro de um condomínio fechado, bem mais estruturado que os condomínios das praias do Norte, há necessidade de identificação e claro a compra do cartão da zona azul.
A praia tem bastante estrutura, mas não é aquela calmaria das praias mais ao norte, já tem bastante vendedor ambulante vendendo de tudo um pouco, o que pra mim, tira um pouco da calmaria da praia.
Praia do Lázaro
Enfim, nossos dias em Ubatuba foram ótimos para renovarmos as energias e acho que faremos isso mais vezes! Amamos essa cidade e toda vez que vamos temos mais o que fazer e explorar!
Espero que esse post os inspire a fazer o mesmo!

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

Aracaju 2016

Passamos uns dias desse verão, pra variar em Aracaju! Fomos conhecer algumas praias, entre elas Aruana, que é a mais próxima do centro e também a mais cheia. Vendedores ambulantes pra todos os lados e o mar, não é tudo isso! Mas é bom pra quem gosta de movimento!!
Acarajé da Bahiana! Delícia em Aruana!
A praia do Refúgio, já é um pouco mais afastada do centro da cidade, porém, é bem tranquila! Mas um pouco largada, tem poucos quiosques, que tem poucas variedades de comidas e bebidas e só aceitam dinheiro. Fomos no Bar Caninha!! O mar já é bem mais bonito nessa praia.
Beleza e sossego no Refúgio!
 A praia dos Mosqueiros é a mais distante, porém a mais bonita! Tem saídas de barco para a Croa do Goré(que ficou para uma próxima viagem) e também bares e lounges super diferentes e bem sofisticados! Ficamos em um chamado Duna Beach! Atendimento ótimo e boas pedidas de drinks e petiscos!!
Pina Colada no Mosqueiros!
Em nossos passeios pela cidade Sergipana, passear à noite pela orla de Atalaia, sempre é a melhor pedida! Jantamos um dia em um restaurante chamado Amanda! Muito bom, porém, preços bem salgadinhos!
Também conhecemos a pizzaria do Doro! Uma delícia com massas que derretem na boca!
Pra finalizar, minha querida prima que mora por lá, nos indicou (e nos levou) ao Le Café, um café sofisticado que fica em uma área residencial de Aracaju!Uma delícia, não deixem de pedir a torta de Brownie!!
Torta de Brownie
Le Café
Pra chegar em todos esses lugares é só colocar o nome do lugar no GPS e você chega em um pulinho!!
Aracaju é uma das cidades mais tranquilas e bem cuidadas do nordeste brasileiro, indicamos sempre a visita!
Nelson e seu gêmeo: Tiradentes!

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

Alagoas - Maragogi e Praia do Francês

Falemos agora sobre nossas últimas férias! Pra quem não sabe, meu pai é Sergipano e tem um apartamentinho por lá, onde passamos nossos verões(ok, esse é o segundo verão por terras nordestinas). Portanto, temos a missão de ir pra lá em Janeiro, missão difícil de ser cumprida(momento ironia).
Ok, ok, voltando, nós fomos para Aracaju e olhando o mapa do nordeste, tudo me pareceu muito perto! Foi então que em Outubro tive a brilhante ideia de querer conhecer Maragogi (na verdade, foi meu pai) 
Entramos no booking e fizemos a reserva de uma pousada para um dia, a pousada escolhida foi a Shalom Beach, pé na areia, delícia! Uma calmaria só.Foi então, que depois da escolha do hotel, eu resolvi ver a distância de Aracaju para Maragogi (gênia). Descoberta, seriam seis horas de estrada. Aí pensei, seis hora num dia e depois mais seis horas? Nem pensar, vamos tentar ficar em algum lugar no meio do caminho, eis que surgiu a ideia, essa vinda do Nelson de conhecermos a praia do Francês, poucos minutos de carro da capital Alagoana de Maceió.
Reservado também pelo booking a pousada Panorama, uma delícia e super bem localizada! Indico a todos que passarem por lá.
Na verdade, tivemos muitas viagens dentro de uma só. Chega de lenga lenga, vou falar como foi.
Saímos às 6:00 da manhã de Aracaju, com o carro que foi alugado na Unidas no aeroporto da cidade. Seis horas depois, meio dia mais ou menos. Chegamos em Maragogi! QUE MAR, mar lindo, encantador, verdinho e azulzinho. A pousada é pé na areia e oferece tudo o que você precisa pra viver a paz do lugar! Tem um restaurante em frente, com preços meio salgados. Mas comemos um camarão a milanesa MUITO BOM!
Piscina da pousada, bem em frente o mar e a pousada.
Curtimos a praia de frente a pousada mesmo, enquanto tive que ir correndo a internet para fechar o passeio as piscinas naturais de Maragogi. Por estarmos lá em alta temporada, no meio de Janeiro, encontrar os passeios em empresas já conhecidas e com mais estrutura não foi fácil. Eis, que encontro via internet a Rayanne. A Rayanne salvou nossa viagem, ela fica numa agência de turismo na Avenida principal de Maragogi (onde estão todos restaurantes, hoteis e agências)no número 1045, ao lado da pousada Jangadeiro, eles não aceitam cartão, somente dinheiro e o valor do passeio sai em 75,00 por pessoa. ATENÇÃO: esse valor em Janeiro/2016, ele é tabelado, se uma empresa cobra, todas cobram. Portanto, se algum engraçadinho quiser vir cobrar mais caro de vocês, não aceitem e busquem outro lugar que cobre com o preço justo e honesto, ok? 
O passeio sai às 8:00 da manhã da avenida principal(onde tudo acontece) de lá pegamos um barco, onde recebemos instruções de como, se comportar com os peixinhos! E também, dicas para mergulho e snorkel. Se você não tem um snorkel, pode alugar por 15,00 reais. Eles vendem as fotos também, acho que era 70,00 reais. Meu conselho é: leve sua própria máscara de snorkel e um protetor pra câmera/celular e você já tem uma boa grana salva. O mergulho de cilindro, sai por 110 reais e dura pouco tempo, até onde entendi a profundidade é de 3 metros. Então, não sei se é muito diferente do que visto com snorkel (na minha santa ignorância, de quem só mergulhou uma vez na vida).
Chegando no lugar, onde tem bastante gente o barco para e podemos descer, quando fomos, não estava tão raso assim, a maré estava alta, o que fez com que muitas pessoas(inclusive minha mãe) desistissem de descer para as piscinas naturais.
Enfim, nas piscinas antes era permitido dar pão aos peixinhos, hoje já não é mais permitido alimentar os peixes. O Nelson foi antes quando essa lei ainda não valia e disse que a beleza do lugar se resumia a pão, então acredito que tenha sido uma boa decisão!Depois que conhecemos os peixinhos, ficamos em um banco de areia, onde toca axé e tem um bar flutuante(um barco com espetinhos e bebidas). Levem dinheiro, a essa hora no passeio, já rolou fome e é bem gostoso petiscar naquele mar maravilhoso!
Maragogi, é sim tudo que dizem, lindo, acolhedor e encantador. Indico MUITO.
Maragogi
Indico também o restaurante Regina, que fica na Avenida principal da cidade, comida deliciosa e atendentes super bacanas.

Esperando o barco
Cheiiio

Banco de areia
Aniversário da mamãe no Regina
 Depois de Maragogi, partimos de carro para a praia do Francês, a praia não é tão linda, já é mais urbanizada, mas também tem passeios diferentes. Falam que o legal por lá é fazer o passeio para a Praia do Gunga, custa 30 reais. Sai umas 9 e volta às 15, se tivéssemos mais tempo faríamos, mas ficou pra próxima.
Nosso jantar foi no Armazém Brasil, na Avenida principal (também, tem avenida principal lá)da Praia do Francês, lugar super gostoso, pedimos a panelinha. Risoto de carne seca! Indicamos!
No dia seguinte, ficamos à tarde na praia, no quiosque da Francesinha, indico! Atendimento ótimo! Nesse dia já era a hora de ir embora, almoçamos no restaurante Padino, esse é péssimo e não indicado, rs!
Enfim, ficamos apenas 3 dias nesse paraíso, mas indico e tenho certeza que voltarei pra essas lindas terras alagoanas!

Praia do francês e drink

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Buenos Aires

Amanhecemos em Buenos Aires, ficamos hospedados no hostel 06 central, bem no centro da cidade, paralelo com a Calle Florida. Que é um dos principais locais de compras da cidade. O hostel é um pouco feio e os quartos são normalmente compartilhados com MUITAS pessoas, no caso do nosso em específico eram oito pessoas por quarto.
Assim que chegamos conhecemos uns meninos mineiros um deles se tornaria hoje, praticamente marido da Renata, uma das minhas amigas da viagem!
Obelisco
No primeiro dia jantamos no Hard Rock Café de Buenos Aires, o preço não é tão convidativo assim, mas se você conseguir cambiar seu dinheiro no triste (ou não?) câmbio paralelo na argentina, da pra comer a vontade!

Nosso primeiro dia em Buenos Aires foram basicamente para conhecer roteiros clássicos, entre Avenida 9 de Julio a mais larga da América do Sul, obelisco, El Ateneo,Puente de la mujer,Casa Rosada, San Telmo, tango e Mafalda.
Casa Rosada

Linda Mafalda
Na minha primeira visita a Buenos Aires fiz com mais dois amigos um Pub Crawl, que consiste basicamente em: beber, beber, beber e beber! Foi super divertido e a preço camarada! Indico para os que desejam uma festinha.

Meu último dia na cidade Portenha foi para conhecer o famoso e polêmico zoo de Lujan. O Zoológico não é muito cuidado, o que faz com que as suspeitas sobre os bichinhos ficarem dopados aumente! Seguramos leõezinhos bebês e chegamos perto dessa fera! Que já não estava tão fera assim, pelo cansaço visível!

Depois dessa ida a cidade dos argentinos, cheguei a ir a Buenos mais três vezes, tenho um carinho imenso pela cidade na qual sou sempre bem recebida e passo dias incríveis!
Se você quer ficar em hostel indico o hostel Suits Florida, ótima localização e preço.
Se prefere um hotel bacana, também a preço justo e café da manhã delicioso, indico o Goya Hotel, fica numa rua também próxima ao centro e foi a minha melhor hospedagem na cidade!